CLÁUDIA SANTA ROSA


BLOG EM NOVO ENDEREÇO

Este singelo blog tem novo endereço. Acesse www.claudiasantarosa.com Espero continuar recebendo a sua generosa visita, bem como  sugestões e comentários.



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 13h44
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Estou no twitter

Finalmente, aos pouquinhos, estou descobrindo o twitter. Tenho visitado páginas de políticos, jornalistas, gestores públicos...

Interessante!

Acesse o meu pelo endereço http://twitter.com/claudiastarosa 



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




"Entre os Muros da Escola"

Ontem, final da tarde, vi o filme "Entre os Muros da Escola", que bem expressa a realidade das escolas que trabalham com adolescentes. 

Recomendo!

   



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Comitê Gestor - Leitura   

 

A terceira reunião do Comitê Gestor do Plano Estadual de Leitura Literária na Escolas do Rio Grande do Norte foi realizada ontem, dia 06/07, na sala da Subcoordenadoria do Ensino Médio, prédio da Secretaria de Educação do Estado do RN. O grupo ainda em fase de organização, mas já algumas iniciativas concretizadas. Tenho esperança de que a promoção da leitura literária torne-se uma política pública no Rio Grande do Norte. Há pessoas engajadas para que isso aconteça.  



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h48
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Inovações no Ensino Médio

Na última sexta-feira, dia 03/07, fui entrevistada pelo jornalista Osair Vasconcelos, no RN Acontece, às 7h30, pela Band Natal, sobre as mudanças no Ensino Médio, aprovada a semana passada pelo Conselho Nacional de Educação, a partir de proposições do Ministério da Educação (MEC). No mesmo dia, no final da tarde e início da noite, conversei com a equipe do Ens. Fudamental II e do Ens. Médio do Colégio Contemporâneo sobre inovações mobilizadas pelo "Novo ENEM", no rastro das mudanças do MEC.

Mudanças mais arrojadas no Ensino Médio eram aguardadas, pelo fato dessa etapa amargar os indicadores mais desfavoráveis. Nesse sentido, o MEC estimula inovações e promete investir em 100 experiências inovadoras de escolas, cujos projetos seja norteados pelos eixos Trabalho, Ciência, Tecnologia e Cultura. O número de horas anuais dessas escolas passará de 2.400 para 3.000.

Amanhã, 07/07, concederei entrevista para matéria da TV Ponta Negra - SBT - também sobre as mudanças no Ens. Médio. O tema mobiliza reflexões.

Vamso aguardar a operacionalização das mudanças, pois muitas das propostas já constavam na reforma de 1998, documentadas nos PCNs do ano 2000.



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Canto das Diferenças

Canto das Diferenças é um projeto de inclusão de crianças deficientes, implementado, pelo IDE, na Escola Estadual Hegésippo Reis, contando com a colaboração do Instituto HSBC Solidariedade. Nos próximos dias 09 e 10 acontecerá o 1º Encontro de Formação voltado para a adaptação do currículo para as aprendizagens efetiva das crianças atendidadas. Palestra e Oficinas compõem a programação. O projeto foi iniciado em agosto de 2007 e envolve Oficinas de Danças Populares, Canto Coral, Protagonismo Infantil, Ciclo de Estaudos para a professoras da escola, entre outros.



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Encontro de Educadores Freinet

Nos próximos dias o Estado do Paraná sediará mais um dos memoráveis encontros do Movimento de Escola Moderna (MEM) que congrega educadores identificados com a pedagogia cooperativa idealizada pelo educador francês Célestin Freinet (1896-1966). Eu tive a honra de, juntamente com bravas colegas fundar, no ano 2000, a Associação Brasileira para Divulgação, Estudos e Pesquisas da Pedagogia Freinet, representando a superação, no Brasil, do autoritarismo de alguns e das organizações regionalizadas predominantes desde o final da década de 70, do século passado.

Aprendi imenso durante os 5 anos que estive na Diretoria da Associação, sendo os três primeiros como Diretora de Projetos e os dois seguintes como Coordenadora Nacional. Por mais que pareça um paradoxo, afirmo que foi um tempo de exercício fecundo para instalar práticas democráticas num grupo que tem por base princípios democráticos. Entre erros e acertos, plantei/plantamos algumas sementes e organizamos um Movimento norteado pelo sentimento de que Freinet é do mundo, não é um dogma, tampouco uma religião ou uma "igrejinha", propriedade de alguns donos. 

No último final de semana a querida Maysa Borges, de Florianópolis, provocou-me a remexer álbuns e álbuns de fotografias dos encontros Freinet. Localizo fotografias de muitos encontros nacionais e do internacional realizado no Japão. Quantas lembranças boas! Mandei algumas fotografias e espero ter colaborado com a exposição que deverá ser um sucesso.

Saudades de muitos (as) colegas. Da obra de Freinet não, pois esta continua comigo, em todos os meus trabalhos e busca por práxis de cidadania.



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h22
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Programa Grandes Temas

Tema: Políticas de inclusão social nas universidade publicas.

 

Data: 15/06/09 – Segunda-feira.

Hora: 20h

Apresentação: Vânia Marinho

Convidados:

- Cláudia Santa Rosa, IDE.

- Valéria Credídio, Jornalista.

- Ruy Pereira, Secretário de Estado da Educação do RN.

- UFRN (a confirmar).

"A UFRN adota a partir do vestibular desse ano um novo argumento de inclusão social para o seu vestibular. O novo argumento deve aumentar as chances dos alunos oriundos das escolas públicas de conseguir ingressar na universidade. Apesar de adotar uma política de inclusão, a Federal do RN é uma das poucas universidades brasileiras que não usa o sistema de cotas. Qual o futuro dessas políticas de inclusão no Brasil? Que avaliação podemos fazer dos resultados que tiveram até o momento? A UFRN deveria adotar cotas? Não estariam essas políticas escondendo as falhas no sistema público de educação básica?"

 



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h59
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




  Fórum Potiguar
90 municípios do RN discutiram a leitura literária no Estado

 

A organização governamental Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), juntamente com seus parceiros Instituto C&A e Secretaria Estadual de Educação, reuniu prefeitos, secretários municipais, gestores de escolas e parlamentares do Rio Grande do Norte no Fórum Potiguar de Escolas Leitoras, realizado, neste dia 9 de junho, na Assembleia Legislativa. Representantes de 90 municípios estiveram presentes. O objetivo foi fazer com que eles se engajassem na causa da promoção da leitura literária nas escolas públicas potiguares. "A demanda foi bem maior do que nossas expectativas e isso é ótimo porque mostra que as pessoas estão aderindo a este movimento em prol da leitura", frisa Claudia Santa Rosa, uma das representantes do IDE.

Durante o evento, foi feita a entrega de CD ROM com uma minuta sugestiva de Projeto de Lei a ser adaptado para a realidade de cada Município, a exemplo da Lei Estadual nº 9.169, de 15 de Janeiro de 2009, cuja autoria é do deputado Robinson Faria, que dispõe sobre a criação da política estadual de promoção da leitura literária nas escolas públicas. A partir do segundo semestre, a ONG realizará mais eventos como este em cidades pólo do RN, como, por exemplo, Caicó, Mossoró, Currais Novos, Macau e Nova Cruz.

De acordo com a representante da Seec, Lúcia Sousa, a participação dos educadores e gestores precisa se consolidar nas escolas. "Precisamos instituir a política de leitura com foco no prazer. Com isso, conseguiremos leitores críticos e participativos", diz. A formação de um Comitê Gestor para a prática do Plano Estadual de Leitura Literária também está em andamento e contribuirá com a difusão das políticas de leitura, que consolidam o objetivo-macro da Lei Estadual nº 9.169. O primeiro encontro do grupo está agendado para o próximo dia 16 de junho, na sede da secretaria estadual de Educação.

 

Fonte: www.ideducacao.org.br



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 00h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




A vez da Leitura nas Escolas
Cláudia Santa Rosa

Integra a Equipe do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE).


O Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE) é uma organização não-governamental comprometida com iniciativas que promovam o fortalecimento da escola pública, de modo a torná-la capaz de oferecer uma educação básica de qualidade social para todas as crianças e adolescentes. Um dos projetos desenvolvidos pelo IDE é o "Escola de Leitores", implementado em parceria com o Instituto C&A e a Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do Rio Grande do Norte. O Projeto foi iniciado no ano de 2006 em apenas uma escola e em 2007 tomou uma abrangência maior, envolvendo 79 (setenta e nove) escolas estaduais dos anos iniciais do ensino fundamental, localizadas nos municípios de Natal e Parnamirim.

A qualificação passa por ações conjuntas


O projeto "Escola de Leitores" toma por base o referencial do "Prazer em Ler", programa do Instituto C&A norteado pelo princípio de que "ler é um direito fundamental do cidadão e principal via de acesso ao conhecimento e à cultura".O seu arcabouço envolve, sobretudo, a criação de espaços de leitura nas escolas, composição de acervos literários e formação de gestores e mediadores de leitura para que articulem as políticas de promoção da leitura literária das suas escolas com os respectivos projetos político-pedagógicos. Neste sentido, o Projeto contribui com o processo de construção da "Política Estadual de Promoção da Leitura Literária nas Escolas Públicas do Estado" - Lei Estadual 9.169, de 15 de Janeiro de 2009 - por entendermos que as escolas tem um papel fundamental para a democratização do acesso ao texto literário. Urge que a Lei seja regulamentada pelo poder executivo - com a prioridade que o tema requer - e implantada, efetivamente, em todo o Estado. Outra expectativa é de que o marco legal seja adaptado e oriente políticas públicas nos municípios, representando um avanço significativo para a Educação.

A qualificação dos processos de ensino e aprendizagem realizados nas escolas estaduais e municipais passa por ações conjuntas econtinuadas que fomentem políticas públicas. A formação do leitor é compreendida como sendo uma dessas políticas, talvez das mais urgentes, justamente pelos reflexos em todas as áreas de conhecimento. As estatísticas apontam que pela escola brasileira já passa quase a totalidade das crianças e adolescentes em idade escolar, sinalizando que o acesso foi praticamente universalizado. Entretanto, carece que a escola seja capaz de cumprir o seu papel social de promover as aprendizagens e formar o cidadão do tempo vivido.

No próximo dia 09 de Junho, durante evento na Assembléia Legislativa, o Rio Grande do Norte ganhará o "Fórum Potiguar de Escolas Leitoras", um espaço importante de mobilização e formação, tendo em vista a promoção da leitura literária, desde a escola. As participações e adesões dos poderes executivos estadual e municipais, das escolas, dos parlamentares e da sociedade civil organizada são indispensáveis para a garantia do acesso da população ao livro e à leitura, e, portanto à cultura e ao conhecimento.

 

Publicado em 29/05/2009: Jornal Diário de Natal e disponível, também, no portal http://www.diariodenatal.com.br/2009/05/29/opiniao.php



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 16h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




De ENEM e Gestão da Educação

Cláudia Santa Rosa

 

Na última semana a Educação brasileira voltou a aquecer as pautas dos veículos de comunicação. Foi publicado o resultado 2008 do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) que revelou o desempenho de estudantes, escolas e sistemas de ensino. Mais uma vez as escolas estatais, com raríssimas exceções, aparecem nas posições mais desconfortáveis do ranking. Esses exames fazem bem, porque funcionam como um termômetro para as escolas e Secretarias de Educação que avaliam, pensando, estrategicamente, em providências adequadas para cada caso. O problema é sabermos se, efetivamente, o ENEM e os demais exames congêneres tem tido tal utilidade.

Li que o Ministro da Educação, Fernando Haddad, vinculou o desempenho dos alunos aos baixos investimentos destinados à educação pública estadual e também à situação socioeconômica dos estudantes. De fato o Ministro tem razão de comparar o investimento/ano, nas escolas estaduais, de R$ 1.500,00 por aluno, valor que é cobrado por uma mensalidade em muitas escolas privadas de grandes cidades brasileiras, assim como é de uma flagrante desigualdade em relação aos investimentos feitos nas escolas federais. Quadro ilustrativo de um Brasil de contradições!

Quanto ao resultado do ENEM propriamente dito, pode até parecer pessimismo, mas não me surpreendeu. Era esperado, considerando não só os dois problemas sinalizados pelo Ministro, mas, sobretudo, as fragilidades de todas as etapas da Educação Básica – aqui já incluo a Educação Infantil – e o acúmulo de debilidades que produzem eco ao final do Ensino Médio. O resultado do ENEM reflete um processo educacional, consistente ou inconsistente e no caso das escolas estatais, vinculadas às redes estaduais, o processo se apresenta, reiteradas vezes, inconsistente.

Recuso-me a trazer números do ENEM que expressam a reprovação ou estágio de recuperação das escolas, porque o desejado seria que todas elas empatassem num honroso primeiro lugar, com média acima de 8,0, como ocorreu com o Colégio São Bento, instituição privada do Rio de Janeiro. Prefiro refletir sobre o que é preciso ser feito para que a médio e longo prazo os frutos sejam colhidos. Neste sentido, inicialmente, quero dizer que não adianta o executivo fugir da realidade, porque o caminho para reverter esse quadro é enfrentar as suas causas, justamente para que determinados discursos não sejam apenas político-eleitoreiros. Somando-se, ainda, ao que destacou o Ministro, é uma lástima a forma como tem ocorrido as gestões estaduais e mesmo municipais da Educação e a falta de materialização da prioridade que, grotescamente, fortalece a retórica de campanhas eleitorais e/ou de promoção pessoal. O fato é que, vez por outra, os telejornais, até mesmo em rede nacional, e as folhas, noticiam situações caóticas vivenciadas pelas escolas, quase sempre cercadas de problemas que esbarram em má gestão. Ora, se os recursos são insuficientes é inadmissível uma gestão incompetente e pouco criativa. Essa lógica serve para quem trabalha nos órgãos centrais das Secretarias de Educação e também nos cargos de direção/gestão das escolas e das salas de aula. Indicação política, assim como eleições diretas são processos insuficientes para a escolha de gestores capazes. Nos lugares do mundo onde os maiores avanços educacionais aconteceram os gestores são escolhidos através de concurso público, com base na formação e na experiência, sendo, cotidianamente, avaliados. 

Nos últimos tempos tenho dedicado atenções, também, a pensar sobre as consequências da ausência de planejamento de secretarias de educação – não falo de planejamento de um determinado gestor – que patinam num amontoado de programas e projetos, muitos deles de origem federal e apenas absorvidos localmente. Decorre dessa falta de planejamento a ausência de política de recursos humanos que seja comprometida com a qualidade da escola, talvez uma das maiores chagas da Educação, que, por extensão, atinge diretamente as escolas, deixando um rastro de fracasso. Faz tempo que me pergunto o que falta para os editais de concursos públicos definirem as vagas por escolas, de modo que os candidatos escolham para qual delas vai pleitear, a partir da identificação com o projeto político-pedagógico da mesma. Não se concebe que profissionais escolham a escola para trabalhar somente depois de convocados, pela simples determinação do contratante, pela proximidade de onde reside, no turno que lhe é mais favorável ou por ser uma escola de “gestão mais flexível”, entre outras motivações. Frequentemente, as escolas contam com profissionais que não criam raízes, logo, são pouco engajados num projeto focado em resultados, assim como a transitoriedade das pessoas nos cargos comissionados dos órgãos das Secretarias produz os seus efeitos nefastos. É possível que alguma dessas idéias nos diga sobre os resultados do ENEM e sobre o que pode ser feito para alterá-los positivamente.

 

Publicado em 06/05/2009: portal de "O Jornal de Hoje" http://www.jornaldehoje.com.br/portal/noticia.php?id=15241 e no jornal "Tribuna do Norte" - Suplemento "TN Vestibular", p. 02.



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 03h54
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Notícia do www.ideducacao.org.br

PROJETO "ESCOLA DE LEITORES" INICIA AS AÇÕES, DESTE ANO, NAS ESCOLAS DO RN

Uma das metas principais do IDE e seus parceiros, para 2009, é contribuir para que a Lei Estadual, que dispõe sobre a criação da política estadual de promoção da leitura literária nas escolas públicas, seja colocada em prática

 

Neste Dia Nacional da Educação, 28 de abril, a ONG Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), a Secretaria Estadual de Educação e Cultura (SEEC) e o Instituto C&A realizam o encontro inaugural da segunda fase do projeto de promoção da leitura literária nas escolas públicas - o "Escola de Leitores" - das 13h30 às 17h30, no Auditório Angélica Moura, no prédio da SEEC. O "Projeto Escola de Leitores" trata-se da versão 2009/2010 do projeto vinculado ao programa "Prazer em Ler", do Instituto C&A, e à política de Leitura da Secretaria, que, em 2007 e 2008, foi colocado em prática em 79 escolas da rede estadual de Natal e Parnamirim. Uma das novidades desta fase será a ampliação para o restante das escolas públicas estaduais de Parnamirim e algumas de Mossoró.

Depois de realizar diversas ações, marcadas pela parceria com o poder público e com empresas socialmente responsáveis, uma das metas principais do IDE, para 2009, é contribuir para que a Lei Estadual, que dispõe sobre a criação da política estadual de promoção da leitura literária nas escolas públicas, não fique só no papel e seja colocada em prática, efetivamente, no Estado. "Outra expectativa é de que a Lei seja adaptada para os municípios e que se transforme, efetivamente, em política pública", frisa a coordenadora do Projeto, Cláudia Santa Rosa

A Lei Estadual 9.169 representa um enorme avanço para o RN, porque depois que a Lei for regulamentada e implantada o Estado passará a ter um Plano Estadual de Leitura Literária nas Escolas (PELLE), que espera-se seja sistematizado ao longo dos primeiros nove meses deste ano para integrar o Orçamento Geral do Estado para 2010. O empenho da ONG, de agora em diante, é ajudar na mobilização da sociedade, dos educadores, dos meios de comunicação e dos gestores públicos para que todos se sintam sensibilizados, fazendo com que o conteúdo preconizado na legislação e integrante do Plano Estadual seja efetivamente uma realidade no Estado. "Estamos muito confiantes de que o RN dará passos importantes para garantir o acesso à leitura literária enquanto direito do cidadão. O secretário Ruy Pereira e a sua equipe já confirmou que somará esforços para a concretização dessa política pública, tanto é que no último dia 3 de abril assinou a renovação da parceria com o Instituto C&A para a implementação do projeto. O Instituto C&A investirá mais de R$ 300.000,00 somente neste ano de 2009 e o IDE entra com o conhecimento técnico na área para implementar o Projeto. Há uma soma de esforços que certamente trará resultados em muito breve," declara Claudia. 

Programação do Encontro Inaugural

13:30 – Credenciamento

13:45 - Acolhida dos participantes com uma Mediação de Leitura

           Mediação: Flauzineide Moura, da Equipe de Assessoria Pedagógica do Projeto

14:00 - Apresentação da equipe que irá atuar no Projeto Escola de Leitores.

14:15 - Exibição do Vídeo Documentário "O Lugar da Leitura na Escola" - produzido a partir da Avaliação Externa da primeira fase do Projeto.

           Diálogo a partir do Vídeo. 

           Mediação: Helena Fernandes e Grace Helen de Azevedo, da Equipe de Assessoria Pedagógica do Projeto.  

15:30 - Intervalo

15:50 - Palestra

           Leitura Literária enquanto política de Estado e das Escolas.

           Cláudia Santa Rosa[1], Coordenadora do Projeto Escola de Leitores. 

16:40 - Apresentação da Proposta 2009 do Projeto Escola de Leitores e      Encaminhamentos.

            Mediação: Equipe do Projeto

17:15 - Avaliação

17:30 - Encerramento

           


[1] Cláudia Santa Rosa é Doutora e Mestre em Educação, Especialista em Psicopedagogia e Pedagoga. Desde 2006, através do IDE, uma ONG que ajudou a fundar, coordena as ações ligadas ao Programa Prazer em Ler (programa nacional do Instituto C&A), implementadas no Rio Grande do Norte.



Escrito por Escrito por Cláudia Santa Rosa às 21h53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Nordeste, NATAL, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, Livros, Viagens
Histórico
Outros sites
  Instituto de Desenvolvimento da Educação - IDE
  Projeto Casa de Saberes
  Blog do Românticos Conspiradores
  Mural Literário
  Prazer em Ler
  Blog da Escola da Ponte
  Escola da Ponte
  ABDEPP/Freinet
  Divulgadora Lítero Cultural
  Blog da Rosely Sayão
  Blog do Oliveira Wanderley
  Blog do Chagas Silva
  Inclusão Brasil
  Patrícia Souza
  Jane Patrícia Hadad
Votação
  Dê uma nota para meu blog